top of page
  • vitoriamartins3

A luta franciscana pelo combate à fome

Atualizado: 30 de mar.

Sefras lança curso de formação sobre a fome no Brasil

Por: Vitoria Martins

Na última semana lançamos às inscrições para o curso de extensão universitária “Teias de Solidariedade”, cujo objetivo é oferecer uma formação sobre a história da fome no Brasil, com um foco especial para o olhar de Josué de Castro sobre o tema.

O curso, no entanto, é apenas um dos braços da estratégia do Sefras.

Como já posto pelo próprio nome do projeto - desenvolvido em parceria com Universidade São Francisco, com a FLACSO Brasil (Faculdade Latino Americana de Ciências Sociais), com a Associação Brasileira de Pesquisadores e Profissionais de Comunicação e com a Conferência da Família Franciscana do Brasil -, estamos tecendo uma teia de relações, articulações, incidências políticas e ações sociais voltados à um único objetivo: acabar com a fome no Brasil.

O início da luta franciscana contra a Fome

A fome sempre foi uma preocupação dos franciscanos.

Desde sua chegada ao Brasil na atual Praça da Patriarca, no centro da cidade de São Paulo, em 1640, os frades vem tecendo essa teia, ajudando e cuidando das pessoas mais desfavorecidas.

Na época, seguiam a tradição de Santo Antônio e agiam fornecendo pão e bebida quente para aqueles que se aglomeravam na frente do convento em busca de comida. A distribuição dos alimentos era possível devido às doações que recebiam do povo de São Paulo.


Segundo Frei Tiago, próximo da região do convento, havia uma grande concentração de plantações de chá, logo, o que mais recebiam em doação era chá. “Os freis pediam doação de pão e bebida quente para poder servir aos desvalorizados. E o que as pessoas mais tinham era chá”, afirmou.

Tanto que, a partir dessa ação de assistência social dos franciscanos, nasceu o Chá do Padre e, posteriormente, o Sefras, como instituição para organizar tais ações .

Em todos nossos serviços, sempre buscamos garantir uma alimentação digna à quem nos procura. Porém, o contato mais organizado e concreto com o combate às raízes da fome no Brasil surgiu a partir das Tendas Franciscanas.

Resposta à Pandemia de COVID-19

Você sabe o que foram as Tendas Franciscanas? Pois agora você vai ficar sabendo!

As Tendas, instaladas no Largo de São Francisco em São Paulo e no Largo da Carioca no Rio de Janeiro, foram parte do plano emergencial do Sefras para enfrentar a fome causada pela pandemia de COVID-19.

Focadas na distribuição de marmitas à população mais vulnerável, apenas a iniciativa da capital paulista chegou a atender mais de 5 mil pessoas todos os dias.


Segundo Vinícius Fabreau, coordenador do projeto Pão da Solidariedade, essas duas experiências começaram a colocar o Sefras num contato mais concreto com o enfrentamento à fome.

“Então, a alimentação e o combate à fome sempre foram pautas do Sefras, mas a partir da vivência da pandemia, mais especificamente das Tendas, a gente começou a repensar nosso trabalho. E, a partir da publicação do relatório “A Fome como Prato Principal”, publicado em outubro de 2020, os franciscanos passaram a entender o combate à fome de uma forma sistemática”, afirma.

“A Fome como Prato Principal” trata-se mais do que um relatório que retrata a fome durante os primeiros meses da pandemia no Brasil, mas também é um chamado à ação e um compromisso a ser assumido.

No documento, são apontadas propostas concretas para realizar esse enfrentamento. Como a criação da Frente Nacional de Combate à Fome e Sede, que foi implementada ano seguinte e hoje é uma importante ferramenta de advocacy para nós.

Também, a criação do livro “A Fome e Assistência Alimentar na Pandemia”. A publicação aborda diversas nuances relacionadas às vulnerabilidades alimentares, como: o problema da fome, o direito e a assistência à alimentação, a fome estrutural e seu agravamento na pandemia, além das perspectivas de mobilização e incidência. Tudo sob a análise crítica da obra Geografia da Fome, do geógrafo e médico pernambucano Josué de Castro.

E com todo esse respaldo teórico e prático, o curso Teias da Solidariedade nasceu dentro do projeto Pão da Solidariedade.

Tecendo a luta contra a Fome: uma nova abordagem de enfrentamento

Neste ano de 2023, reorganizamos nossa estratégia de enfrentamento à fome com o projeto chamado Pão da Solidariedade.

Segundo Vinìcius, “trata-se de um projeto de assistência alimentar. Ou seja, é um projeto que faz gestão da alimentação dentro do Sefras, mas que também tem uma via de engajamento comunitário e de formação.”

E dentro dessa proposta de engajamento comunitário, construímos o curso “Teias da Solidariedade”, resgatando os conceitos do relatório “A Fome como Prato Principal” e criando novas abordagens e maneiras de combater a fome a partir dos novos desafios que enfrentamos.


A palavra ‘teia’ tem diversos significados, tanto literal quanto figurado. Mas de modo geral, “teia” é um termo usado para descrever uma rede complexa de conexões e interdependência entre diferentes elementos ou ambientes.

Segundo Vinícius, o objetivo do Teias da Solidariedade é exatamente esse: criar uma conexão entre as iniciativas solidárias de combate à fome e a criação de novas iniciativas em nossos territórios.

Ainda, conforme foi se desenvolvendo o curso, percebemos que o termo “TEIA” ainda é um acróstico para o que buscamos abordar:

Tecnologia Social

Enfrentamento à Fome

Impacto Social

Articulação e criação de rede

“Então percebemos que TEIA é mais do que um nome, mas também a própria metodologia com a qual a gente busca tecer essa grande teia de conhecimento a partir do curso. Ela é uma grande estratégia de enfrentamento à fome em São Paulo e no Rio de Janeiro, que são os territórios em que o Sefras atua.”

A princípio foram abertas 50 vagas para o curso de extensão, porém, devido à alta demanda, nos organizamos para contemplar as mais de 70 inscrições que recebemos.

O “Teias da Solidariedade” inicia-se no dia 27 de março, mesmo dia em que, há 3 anos, abrimos a Tenda Franciscana de São Paulo.

“É uma data simbólica da luta do Sefras contra a fome” afirma Vinícius. “ O Teias tem essa relação com o Sefras. Ele nasce da nossa experiência, tanto que dia 27 de março, na aula inaugural do curso, não vamos levar nenhum especialista e ninguém de fora. Vão ser os próprios coordenadores dos serviços do Sefras diretamente ligados com essa história que vão fazer essa aula inaugural”, explicou Vinicius.

O coordenador do projeto termina ressaltando que “é por isso que estamos fazendo esse itinerário online informativo. Para conectar pessoas e tentar pensar como a gente pode olhar para a fome e dar uma resposta para ela”.

O SEFRAS

O Sefras é uma organização humanitária que luta todos os dias no combate à fome, a violações de direitos e inserção econômica e social de populações extremamente vulneráveis: pessoas em situação de rua, crianças pobres, imigrantes e refugiados, idosos sozinhos e pessoas acometidas pela hanseníase.

Guiados pelos valores franciscanos de Acolher, Cuidar e Defender, atua pelo Brasil atendendo mais de 4 mil pessoas todos os dias. São serviços diários que promovem apoio social e jurídico para população em situação de rua, acolhimento e inclusão social de imigrantes, contraturno escolar para crianças e adolescentes, convivência e proteção de idosos, além de ações de defesa dos direitos e melhoria de políticas públicas voltadas a esses grupos.

Para ajudar quem tem fome na cidade de São Paulo e do Rio de Janeiro, o Sefras atua distribuindo mais de 2 mil refeições diariamente, além de distribuir cestas básicas, itens de higiene e cobertores e roupas de frio.

Ajude o nosso trabalho nesse dia especial. Você pode ajudar doando itens , em São Paulo, no Chá do Padre, na Rua Riachuelo, 268 – Centro. Tel: (11) 3105-1623 e no Rio de Janeiro na Tenda Franciscana no Largo da Carioca, s/ n, Centro.

Você também pode doar qualquer quantia pelo nosso site ou pelo pix: sefras@sefras.org.br.







87 visualizações0 comentário
bottom of page